Acrocórdon

Também chamado de papiloma fibra epitelial, acrocórdon é um crescimento fibroso benigno e muito comum da pele. São caracterizados como pápulas filiformes, geralmente pedunculadas, cor da pele ou acastanhadas, de 1 a 5 mm de tamanho. Normalmente, ficam localizadas ao redor dos olhos e em dobras da pele como nas axilas, pescoço, região inguinal e abaixo das mamas. Podem ser poucas ou em grande número. Surgem, geralmente, na meia idade após os 40 anos e pós-gravidez. São benignos e assintomáticos, mas podem inflamar ou machucar se estiverem em áreas de atrito. Às vezes podem coçar.

 

Causas

 

Existe uma correlação com obesidade e sobrepeso, pois é mais comum em pacientes obesos. Além disso, também há uma tendência genética e familiar. Pode haver associação com resistência à insulina e diabetes. Ocorrem, igualmente, em ambos os sexos.

 

Podem surgir no decorrer da gestação por ação de hormônios. Nesse caso podem regredir após o parto. Às vezes são confundidos com verrugas, mas estas são lesões produzidas por vírus, portanto contagiosas, o que não ocorre nos acrocórdons.

 

Eles podem se iniciar pequenos, mas crescem com o tempo. A incidência aumenta com a idade (envelhecimento).

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico é clinico, um dermatologista é capaz de fechar o diagnóstico apenas examinando, não sendo necessário nenhum exame auxiliar.

 

Por ser lesão benigna, só requer tratamento se estiver inflamada ou com fins estéticos, pois não tem significação de doença. Pode ser feita a remoção através de eletrocoagulação (bisturi elétrico) sob anestesia local em um procedimento bem simples, feito em consultório sem necessidade de suturar a pele e a cicatrização é rápida, em torno de 7 a 10 dias.

 

Outra forma de retirá-los é fazer um procedimento chamado “Shaving”, em que se corta tangencialmente a lesão com bisturi ou tesoura. Em seguida, cauteriza-se com bisturi elétrico ou de radiofrequência para não haver sangramento.

 

Pelo fato de as lesões serem pequenas, a cicatrização é rápida. Geralmente, a cicatriz é imperceptível, a menos que o paciente tenha tendência à cicatriz queloideana.

 

Não se deve tentar tratar acrocórdons em casa com métodos caseiros, como aplicação de produtos para “queimar” as lesões ou linha para “amarrar” as lesões. Afinal, isso pode provocar infecções na pele, sangramento ou mesmo o aparecimento de cicatrizes inestéticas (queloides), de difícil tratamento.

 

Além disso, corre-se o risco de confundir o acrocórdon com outras lesões de pele como, por exemplo, nevos (pintas), verrugas ou mesmo lesões mais perigosas (como câncer de pele).

 

É necessário o diagnóstico correto feito pelo médico dermatologista, que poderá facilmente retirar as lesões.

Sobre

A Clínica Sandra Freitas oferece uma ampla variedade de tratamentos dermatológicos e de estética. Conheça alguns de nossos procedimentos e agende uma consulta de avaliação.

Post Recentes
Redes Sociais
WhatsApp chat