Câncer de pele

O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Essas células se dispõem formando camadas e, de acordo com as que forem afetadas, são definidos os diferentes tipos de câncer. Os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele.

 

Carcinoma Basocelular

 

É o câncer de pele mais comum. Pápula ou nódulo persistente, com bordas elevadas, sem tendência à cicatrização. Ocorre, geralmente, a partir dos 40 anos de idade e é curável com tratamento adequado.

 

As principais causas são exposição a raios UV, radiações e fatores genéticos. Ocorre mais frequentemente em regiões expostas ao sol como face, orelhas, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas.

 

Tipos: cístico, superficial, nodular, esclerodermiforme e pigmentado.

 

Deve ser realizada biópsia para confirmar o diagnóstico e classificar o tipo histológico. A maioria das lesões é tratada com exérese cirúrgica. Outra possibilidade de tratamento não cirúrgico seria com creme de imiquimode ou com nitrogênio líquido (crioterapia).

 

Carcinoma Espinocelular

 

Segunda forma mais comum de câncer de pele. Se apresenta como ferimento descamativo ou ferimento que não cicatriza e, às vezes, sangra. Mais comum em idosos, raro em indivíduos de pele escura.

 

A principal causa é a exposição a raios UV. Por isso é mais comum em áreas expostas e com dano solar.

 

O tratamento varia. Pode envolver cirurgia e, às vezes, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

 

Melanoma

 

O melanoma tem origem nas células que produzem a melanina, que dão cor à pele, chamados melanócitos. É o mais maligno dos tumores de pele e, se não tratado precocemente, pode causar metástases para os órgãos internos.

 

Os fatores de risco associados com o desenvolvimento do melanoma são a exposição excessiva ao sol sem a utilização de protetor solar, pele clara e histórico familiar. Se você tem alguma mancha, pinta ou verruga suspeita na pele, observe os seguintes sinais para saber se pode ser um melanoma. Eles são chamados de ABCDE:

 

1. Assimetria

Imagine uma divisão no meio da pinta e verifique se os dois lados são iguais. Se apresentarem diferenças deve ser analisado por um médico.

 

2. Bordas irregulares

Verifique se a borda da pinta é irregular ou serrilhada. Em caso positivo, procure seu médico.

 

3. Cores misturadas

Observe se a pinta tem uma cor única ou cores variadas. Se ela misturar diversas cores, pode ser um indício de melanoma. Por isso é bom consultar um dermatologista.

 

4. Diâmetro maior do que 6 mm

Pintas com mais de 6 milímetros de diâmetro (ou seja, a medida de uma borda a outra) podem ser um sinal de risco.

 

5. Evolução constante

No seu tratamento deve ser feita a retirada completa da lesão e se avaliar sua extensão e possíveis metástases (estadiamento).

 

Pode envolver cirurgia e, às vezes, quimioterapia, radioterapia ou imunoterapia, de acordo com a sua extensão e agressividade.

 

O câncer de pele pode ser prevenido com mudanças comportamentais, como menor exposição ao sol, evitar exposição direta nos horários mais quentes do dia e a utilização de protetor solar, bonés, óculos escuros e roupas com fotoproteção.

 

Cirurgia

 

A cirurgia Micrográfica de Mohs é uma técnica cirúrgica na qual se retira o tumor e um fragmento de pele ao redor. Esse material é analisado microscopicamente durante o procedimento repetidas vezes até não restarem vestígios de células tumorais. Desta forma, obtém-se mais precisão no tratamento, evitando retirar tecidos sadios e com grandes chances de não sobrarem células tumorais.

 

Na terapia fotodinâmica, o médico aplica o produto 5 ALA (um agente fotossensibilizante) e, após algumas horas, as áreas são expostas a uma fonte de luz que o ativa e destrói, especificamente, as células atípicas. É uma técnica interessante de tratamento para os pacientes com muitos danos solares e com lesões pré-cancerosas, chamadas de Queratoses actínicas.

 

Se você tem pintas e sinais que mudam de cor, tamanho ou aspecto consulte um dermatologista. Só ele poderá identificar a lesão e recomendar o melhor tratamento.

Sobre

A Clínica Sandra Freitas oferece uma ampla variedade de tratamentos dermatológicos e de estética. Conheça alguns de nossos procedimentos e agende uma consulta de avaliação.

Post Recentes
Redes Sociais
WhatsApp chat