Acne

A acne é a enfermidade cutânea mais comum na adolescência. Atinge quase todos os indivíduos no período da puberdade e se prolonga por tempo variável. Pode incidir em mulheres após os 25 anos, chamada de acne da mulher adulta.  Na maioria dos adolescentes, as lesões são mínimas e perfeitamente toleráveis. Entretanto, em outros, suas manifestações são severas, causando transtornos e problemas psíquicos e sociais que afetam a vida do adolescente. De outro lado, na ausência do tratamento adequado, podem deixar cicatrizes inestéticas.

 

Tipos

 

De acordo com a predominância de uma ou mais lesões, pode-se classificar a acne em:

  • Acne não inflamatória ou comedoniana ou grau I;
  • Acne inflamatória ou grau II;
  • Nódulo cística ou grau III;
  • Acne conglobata ou grau IV.

 

Na classificação grau I da acne, o aparecimento começa pelo surgimento dos primeiros comedões (cravos), através do aumento da glândula de secreção sebácea e por influência hormonal.

 

Na classificação grau II da acne, ocorrem pápulas eritematosas e pústulas (espinhas). Elas indicam a atividade da doença e, ao desaparecerem, podem deixar manchas avermelhadas ou pequenos nódulos fibrosos.

 

A classificação grau III da acne consiste em manifestação de cistos, que têm tamanhos variados e podem, espontaneamente, drenar pus, deixando graus variáveis de cicatrizes.

 

Na classificação grau IV, ocorre a modalidade mais severa, caracterizada pela presença de lesões císticas e nódulos inflamatórios. Possui componente patogênico bacteriano, formando abcessos e lesões secretantes. Pode deixar cicatrizes queloideanas.

 

Causas

 

Os estados de tensões emocionais podem agravar a acne, enquanto que a influência alimentar é discutível.  Algumas vezes há piora com ingestão de derivados do cacau e de excesso de carboidratos. A acne pode exacerbar-se por influência do ciclo menstrual, tanto no período pré-menstrual como durante a menstruação. A gravidez pode agravar ou melhorar o quadro clínico. Cremes, pomadas e cosméticos pastosos pioram a acne, o ideal é sempre usar produtos direcionados à pele acneica e oleosa.

 

Tratamento

 

O tratamento inicial na acne consiste na limpeza com água e sabonete específico para pele oleosa e acneica, uso de loção desengordurante e levemente antisséptica. Em seguida, deve-se combater os comedões e prevenir a sua formação, feito pelo uso de esfoliantes. Lesões inflamadas podem ser controladas com o uso tópico de peróxido de benzoíla, ácido retinóico e derivados, ácido glicólico ou adapaleno. Quando há pústulas, podem ser usadas soluções alcoólicas de eritromicina ou clindamicina, associadas ou não à antiobioticoterapia sistêmica.

 

De acordo com a intensidade da inflamação e da infecção existente, torna-se necessária administração sistêmica de antibióticos. Os antibióticos básicos são as tetraciclinas, que podem ser administradas por tempo prolongado com excelente tolerância, mas também podem ser usadas minociclina e doxiciclina. Para casos mais severos, indica-se o tratamento com a isotretinoina oral por período em torno de 6 meses.

 

Tratamentos com peelings químicos (ácido retinóico, salicílico, glicólico, solução de Jessner, por exemplo) causam uma descamação, ajudando a “secar” as acnes ativas e inflamadas. Além disso, promove uma renovação superficial (leve) da pele. A Luz Intensa Pulsada pode ajudar a desinflamar pápulas e diminui a atividade da acne e as manchas avermelhadas.

 

Para os pacientes que adquiriram cicatrizes de acne, os tratamentos mais indicados, que ajudam na melhora do colágeno, são os lasers fracionados como, por exemplo, o Laser fracionado de CO2 (peeling a laser) e Laser Q-Switched, além do Microagulhamento.

 

Somente o médico dermatologista é capaz de indicar o melhor tratamento.

Sobre

A Clínica Sandra Freitas oferece uma ampla variedade de tratamentos dermatológicos e de estética. Conheça alguns de nossos procedimentos e agende uma consulta de avaliação.

Post Recentes
Redes Sociais
WhatsApp chat