Psoríase

Psoríase é uma doença de pele crônica e relativamente comum. É caracterizada por manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas, coceira, pele ressecada e rachada. Além disso, em alguns casos, as unhas ficam grossas com depressões puntiformes.

 

Causas

 

A causa é desconhecida e atinge ambos os sexos, em qualquer idade não sendo contagioso. Há um caráter genético na psoríase, com ocorrência familiar em torno de 30% dos casos. Além disso, alguns outros fatores podem influenciar como, por exemplo, estresse, obesidade, variações climáticas (piora no inverno), consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo. É cíclica, de evolução crônica com períodos de melhora e de piora.

 

Tipos

 

Há vários tipos de psoríase, somente o dermatologista poderá identificar e orientar o tratamento adequado.

  • Psoríase vulgar: lesões vermelhas e escamosas, em placas, atingindo áreas extensas. Formadas por escamas prateadas e secas. Em alguns casos, podem ocorrer sintomas de coceira e queimação que, de acordo com o estado emocional, atingem intensidade variável. Encontram-se nos cotovelos, joelhos, couro cabeludo, genitais e palmas das mãos;
  • Psoríase Artropática: ocorre em cerca de 5% dos doentes de psoríase. Em geral com lesões disseminadas, comprometimento das articulações, particularmente dos dedos dos pés e mãos, coluna e juntas dos quadris. Pode causar deformidades permanentes;
  • Psoríase Gutata: lesões avermelhadas em forma de gota no tronco e membros, recobertas por finas escamas;
  • Psoríase Pustulosa: caracterizada por pústulas (pequenas bolhas que podem conter pus) em todas as partes do corpo ou em áreas menores;
  • Psoríase ungueal: as unhas das mãos e pés ficam grossas, descamativas ou mesmo deformadas;
  • Psoríase invertida: são manchas inflamadas e vermelhas que atinge, principalmente, áreas úmidas como, por exemplo, axilas, embaixo dos seios e virilhas. Pode agravar quando o paciente tem sudorese intensa e no caso de obesidade;
  • Psoríase do couro cabeludo: placas avermelhadas descamativas no couro cabeludo com coceira;
  • Psoríase eritrodérmica: quando as lesões se espalham por todo o corpo, com manchas avermelhadas que coçam e ardem associadas a sintomas sistêmicos como febre e mau estado geral.

 

Tratamento

 

O tratamento da psoríase é individualizado e pode variar de acordo com o tipo e o grau. De forma geral, em alguns casos, hidratar a pele, aplicar medicamentos tópicos como corticoides e exposição diária ao sol em horários seguros, melhoram o quadro clínico e ajudam no desaparecimento dos sintomas.

 

Em outros casos, quando as medidas mencionadas não melhorarem os sintomas, o tratamento com exposição à luz ultravioleta A (PUVA) ou ultravioleta B (banda estreita) em cabines é necessário. Esse tipo de tratamento utiliza combinação de medicamentos que aumentam a sensibilidade da pele à luz, obtendo o clareamento das lesões que pode ser mantido como uma terapia de manutenção. Já em casos graves, como a psoríase eritrodérmica, é necessário iniciar tratamentos com medicação via oral ou injetável.

 

Os mais usados são o metotrexato, acitretina e imunossupressores como, por exemplo, a ciclosporina A, que têm vários efeitos colaterais. Mais recentemente uma nova classe de medicamentos, chamados biológicos, de uso injetável, foram aprovados no Brasil. São indicados para casos moderados ou graves.

Sobre

A Clínica Sandra Freitas oferece uma ampla variedade de tratamentos dermatológicos e de estética. Conheça alguns de nossos procedimentos e agende uma consulta de avaliação.

Post Recentes
Redes Sociais
WhatsApp chat